94 anos de Ruy de Carvalho. Que vida cheia!

UMA VIDA CHEIA DE HISTÓRIAS, TALENTO, PRÉMIOS E UM CAMINHO QUE TEM MARCADO GERAÇÕES E GERAÇÕES

Jéssica Santos
Madalena Costa


São 94 anos de vida, passados a maior parte do tempo em cima de um palco.

Ruy de Carvalho é um homem de histórias e com história, com uma entrega à sua arte que chega a ser comovente. O ator carrega em si o nome de Portugal.

Hoje faz anos e a RFM não podia deixar passar esta data em branco!



Nasceu em Lisboa, a de 1 de março de 1927. Pisou pela primeira vez os palcos com a peça “O Jogo para o Natal de Cristo”, com encenação de Ribeirinho, em 1942.


O talento de Ruy de Carvalho não passou despercebido e Ribeirinho incentivou-o a inscrever-se no Conservatório Nacional, que frequentou entre 1945 e 1950. Fez o curso de Teatro/Formação de Atores, que terminou com 18 valores. Mas ainda antes já se tinha estreado como ator profissional, em 1947, numa peça de Roger Ferdinand: "Rapazes de Hoje".



O cinema veio em 1952 com o filme “Eram Duzentos Irmãos” e, em 1957, fez parte do elenco da primeira peça teatral exibida na RTP: "Monólogo do Vaqueiro" de Gil Vicente.


Fundou o Teatro Moderno de Lisboa e foi diretor artístico do Teatro Experimental do Porto. Passou depois pela Companhia de Laura Alves e pela Companhia do Teatro Maria Matos.

Em 1975, ao lado de Raul Solnado, Armando Cortez e de Lourdes Norberto integrou o elenco de uma das peças com maior sucesso de público do pós-25 de abril: "Schweik na Segunda Guerra Mundial". Aos 50 anos, entrou para os quadros do Teatro Nacional Dona Maria II, onde permaneceu até 2000.


Desde teatro, televisão e cinema, o currículo de Ruy de Carvalho é extenso e cheio de vida. Marcou a história de todos estes setores, com peças, filmes e novelas que fizeram sucesso. Filmes como "O Processo do Rei" (1990), "Vale Abraão" (1993), "Capitães de Abril" (2000) e produções televisivas como as telenovelas "Vila Faia" (1982), "Origens" (1983), "Todo o Tempo do Mundo" (1999) e "Saber Amar" (2002) e as séries "Angústia Para o Jantar" (1975), "Retalhos da Vida de um Médico" (1980), "Diário de Maria" (1998), "Crianças S.O.S." (2000) e "Inspetor Max" (2004).


Os prémios também fizeram, claro, parte da carreira do ator. Recebeu Prémios de Imprensa para o Teatro (1962, 1981, 1982, 1986); Prémios de Imprensa para o cinema (1965, 1966, 1971); Prémios da Crítica Especializada (1961, 1962, 1964, 1965, 1981); em 1998, venceu o Globo de Ouro para a Personalidade do Ano e, no ano seguinte, o Globo de Ouro de Melhor Ator.


Em termos de condecorações, a 27 de março de 1990, foi-lhe atribuída a Medalha de Mérito Cultural; a 9 de junho de 1993, foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique; a 27 de fevereiro de 1998, com o grau de Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada; a 26 de março de 2010, foi elevado a Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada. A 30 de outubro de 2012, foi elevado a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique e a 1 de março de 2017, foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito.


No plano familiar, a vida de Ruy de Carvalho também não ficou por menos. Viveu uma verdadeira história de amor ao lado de Ruth de Carvalho com quem partilhou a vida durante 53 anos.



Juntos tiveram um filho, João de Carvalho, que é também ator, e uma filha, Ana Paula Aragão Pires de Carvalho. O neto, Henrique de Carvalho, também seguiu as pisadas do avô e é ator.



Em 2007, Ruy de Carvalho despediu-se da mulher, que morreu vítima de doença prolongada. Apesar de não estar presente, o ator recorda-a sempre nas entrevistas que dá e nas datas importantes do casal, que faz questão de partilhar nas redes sociais.


Em novembro de 2020, Ruy de Carvalho esteve à conversa com o Wi-Fi da RFM e disse qual o segredo para um casamento longo.


 


Ruy de Carvalho é cultura, é talento, é teatro, cinema, televisão, é rádio e é Portugal. O ator tem feito o seu caminho na arte da representação e tem marcado várias gerações. São 94 anos cheios!


  • Partilha:

Top